Argumentação campo-dependente em aulas sobre quantidade de movimento

obstáculos para a matematização

Palabras clave: Argumentação campo-dependente, Linguagens, Linguagem Matemática, Momento Linear, Ensino por Investigação

Resumen

Compreender como o conhecimento matemático é demandado na construção dos argumentos científicos dos estudantes em aulas física, incluindo os obstáculos que se apresentam nesse processo, é um grande desafio para os pesquisadores do ensino de ciências. Lançamos luz sobre essa problemática, por meio de uma ferramenta que visa o estudo da argumentação denominada campo-dependente por Toulmin (2006). Desenvolvemos esse instrumento com o intuito de analisar o processo argumentativo, considerando como são apresentadas e validadas as alegações científicas e ponderando sobre as linguagens da ciência usadas em sala de aula, mais a qualidade do discurso argumentativo em sua forma e conteúdo. Esse referencial foi utilizado para o estudo de gravações em vídeo de uma sequência de ensino investigativa sobre quantidade de movimento, ministrada para uma turma do primeiro ano do ensino médio, em uma escola pública. Verificamos a intensa frequência das propriedades da argumentação destacadas, com um grande movimento das diferentes linguagens na construção dos significados. Por outro lado, ficou explícita a desconexão entre fenômenos e suas representações, à medida que os estudantes se distanciaram do problema experimental do início da sequência de ensino investigativa e se envolveram no processo de resolução de problemas – demandando planejamento de atividades específicas para estimular a reflexão sobre essas situações.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Aberdein, A. (2005). The uses of argument in mathematics. Argumentation, 19(3), p.287–301.

Bellucco, A.; & Carvalho, A. M. (2014). Uma proposta de sequência de ensino investigativa sobre quantidade de movimento, sua conservação e as leis de Newton. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(1), 30-59.

Bellucco, A.; & Carvalho, A. M. (2009). Construindo a linguagem gráfica em uma aula experimental de física. Ciência e Educação, 15(1), 61-84.

Capecchi, M. C. V. M. (2004a). Aspectos da cultura científica em atividades de experimentação nas aulas de física. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Capecchi, M. C. V. M. (2004b). Argumentação numa aula de Física. In A.M.P. Carvalho (Ed.), Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp. 59-76). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Cobern, W.W & Aikenhead, G.S. (1998). Cultural aspects of learning science. In: FRASER, B.J. & TOBIN, K.G. (Ed.). International Handbook of Science Education (pp. 39-52). Dordrecht, the Netherlands: Kluwer Academic Publishes.

Driver, R.; Asoko, H.; Leach, J.; Mortimer, E. & Scott, P. (1994). Constructing Scientific Knowledge in the Classroom. Educational Researcher, 23 (7), 5-12.

Driver, R., Newton, P., & Osborne, J. (2000). Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science Education, 84(3), 287–312.

Duschl, R. (2008). Science education in three-part harmony: Balancing conceptual, epistemic, and social learning goals. Review of Research in Education, 32(1), 268– 291.

Erduran, S. (2007). Methodological Foundations in the Study of Argumentation in Science Classrooms. In M. P. Jiménez-Aleixandre & S. Erduran (Eds.), Argumentation in Science Education: Perspectives from Classroom-Based Research (pp. 47-70).

Dordrecht, the Netherlands: Springer. Fourez, G. (2003). Crise no ensino de ciências? Investigações em Ensino de Ciências, 8 (2), 109-123. Recuperado de www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ ID99/v8_n2_a2003.pdf/.

Jiménez-Aleixandre, M. P.; Rodríguez, A. B.; & Duschl, R. A. (2000). “Doing the Lesson” or “Doing Science”: argument in High School genetics. Science Education, 84(6), 757-792.

Jiménez-Aleixandre, M. P.; & Bustamante, J. D. (2003). Discurso de Aula y Argumentación en la clase de ciencias: cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias, 21(3), 359-370. Recuperado de https://core.ac.uk/ download/pdf/38990750.pdf.

Jiménez-Aleixandre, M. P. (2005). A argumentação sobre questões sóciocientíficas: processos de construção e justificação do conhecimento na aula. In V Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências (pp.1-12). Bauru: ABRAPEC. Recuperado de www.nutes.ufrj.br/abrapec/venpec/ conteudo/conferencias/c4.doc.

Laburú, C. E.; Barros, M. A.; & Silva, O. H. (2011). Multimodos e múltiplas representações, aprendizagem significativa e subjetividade: três referenciais conciliáveis da educação científica. Ciência & Educação, 17(2), p.469-487. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v17n2/a14v17n2.pdf.

Lemke, J. L. (1998a). Multiplying meaning: visual and verbal semiotics in scientific text. In J. MARTIN and R. VEEL (Eds.), Reading science (pp. 87113). London: Routledge. Macdonald, S. P.; &

Kelly, G. J. (2012). Beyond argumentation: sense-making discourse in the science classroom. In M.S. Kline (Ed.), Perspective on Scientific Argumentation (pp. 265-282). Bahrain: Springer.

Márquez, C.; Izquierdo, & M.; Espinet, M. (2003), Comunicación multimodal en la clase de ciencias: el ciclo del agua. Enseñanza de las Ciencias, 21(3), 371386. Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/38990751.pdf.

Miskulin, R. G. S. (1999). Concepções teórico-metodológicas sobre a introdução e a utilização de computadores no processo ensino/aprendizagem da geometria. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, Campinas, 1999.

Mortimer, E. F.; & Scott, P. H. (2002). Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, 7(3), 283-306. Recuperado de https:// www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/562/355.

Nascimento, S. S.; & Vieira, R. D. (2009). A argumentação em sala de aula de física: limites e possibilidades de aplicação do padrão de Toulmin. In S.S. Nascimento and C. Plantin (Eds.), Argumentação e Ensino de Ciências (pp. 1737). Curitiba: Editora CRV.

Pedemonte, B.; & Reid, D. (2011). The role of abduction in proving processes. Educacional Studies in Mathematics, 76(3), 281-303.

Peirce, C. S. (2012). Semiótica. São Paulo: Perspectiva. Preti, D. (Ed.). (1997). O discurso oral culto. São Paulo: Humanitas.

Rahman, S. (2007). Abduction, belief-revision and non-normality. In O. Pombo, O and A. Gerner (Eds.), Abduction and the process of scientific discovery (pp. 1326). Lisboa: Publidisa.

Sampson, V.; & Clark, D. (2006). Assessment of argument in science education: A critical review of the literature. In S. A. Barab, K. E. Hay, & D. T. Hickey (Eds.), Proceedings of the 7th International Conference of the Learning Sciences (pp. 655–661). Bloomington, IN: International Society of the Learning Sciences.

Sampson, V.; Enderie, P.J.; & Walker, J. P. (2012). The development and validation of the Assessment of Scientific Argumentation in the Classroom (ASAC) observation protocol: a tool for evaluating how students participate in scientific argumentation. In Kline, M.S (Ed.), Perspective on Scientific Argumentation (pp.235-264). Bahrain: Springer.

Sandoval, W. A.; & Millwood, K. A. (2007). What can argumentation tell us about epistemology? In M. P. Jiménez-Aleixandre & S. Erduran (Eds.), Argumentation in Science Education: Perspectives from Classroom-Based Research (pp. 71-88). Dordrecht, the Netherlands: Springer.

Sasseron, L. H. (2008). Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: Estrutura e Indicadores deste processo em sala de aula. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

Sasseron, L. H.; & Carvalho, A. M. P. (2011a). Uma análise dos referenciais teóricos sobre a estrutura do argumento para estudos de argumentação no ensino de ciências. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 13(3), 243-262. Recuperado de www.scielo.br/pdf/epec/v13n3/1983-2117epec-13-03-00243.pdf.

Sasseron, L. H.; & Carvalho, A. M. P. (2011b). Construindo argumentação em sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de Alfabetização Científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação, 17(1), 97-114. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v17n1/07.pdf.

Souza, V. F. M.; & Sasseron, L. H. (2012a). As interações discursivas no Ensino de Física: a promoção da discussão pelo professor e a alfabetização científica pelos alunos. Ciência & Educação, 18(3), 593-611. Recuperado de http:// www.scielo.br/pdf/ciedu/v18n3/07.pdf.

Souza, V. F. M.; & Sasseron, L. H. (2012b). As perguntas em aulas investigativas de ciências: a construção teórica de categorias. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 12(2), 29-44. Recuperado de https://seer.ufmg.br/ index.php/rbpec/article/view/2433/1833.

Toulmim, S. E. (2006). Os Usos do Argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2. ed.

Uhden, O.; Karam, R. A. S.; Pietrocola, M.; Pospiech, G. (2011). Modelling Mathematical Reasoning in Physics Education. Science & Education, 21 (4), 485-506.

Urquhart, K (2002). Hard sciences in terminal decline? Science, 296 (5567), 453.

Vieira, R. D.; & Nascimento, S. S. (2008). Contribuições e limites do padrão de Toulmin aplicado em situações a sala de aula de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2), p.1-20. Recuperado de https://seer. ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/2217/1616.

Vieira, R. D.; & Nascimento, S. S. (2009). Uma proposta de critérios marcadores para a identificação de situações argumentativas em sala de aula de ciência. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 26(1), 81-102. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/21757941.2009v26n1p81/10021.

Publicado
2019-07-30
Cómo citar
Bellucco, A., & Pessoa de Carvalho, A. (2019). Argumentação campo-dependente em aulas sobre quantidade de movimento. Avances En La Enseñanza De La Física, 1(1), 35-59. https://doi.org/10.36411/AEF.1.1.3
Sección
Artículos de investigación